Captura de Tela 2022-07-01 às 15.37.45.png

PROGRAMAÇÃO 2022

Participe dessa história...

SETEMBRO

 

Exposição Duo Drag

De terça a domingo, das 10h às 18h
Gratuito

Edital Público para Seleção de Projetos de Exposição Virtual
De 02/09 a 18/09

Acesse aqui.

Slam Marginália
Dia 02/09, às 16h

Saída Fotográfica

Dia 03/09, às 11h

Inscreva-se aqui.

Rolês e territorialidades LGBTQIA+ no centro de SP
Percurso educativo por pontos históricos
10 de setembro, 10h
Inscreva-se aqui.

Roda de Conversa Setembro Amarelo
23 de setembro, 14h
Inscreva-se aqui.

ABRIL

 

Rolês e territorialidades LGBTQIA+ no centro de SP
Percurso educativo por pontos históricos
23 de abril, 10h
Saiba mais aqui.

Orgulho e Resistências: LGBT na ditadura (Exposição Temporária)
Saiba mais aqui. 

Exposição Virtuais
Diponível em programação digital.

MARÇO

 

Lançamento do livro Tomboy, da Editora PEL
Lançamento do projeto BR Sapatão
Evento em parceria com a Revista Alternativa L 
19 de março, 15h

Museu da Diversidade Sexual: a escuta e a construção de novos caminhos (Seminário)
9 e 10 de março

Saiba mais aqui

Orgulho e Resistências: LGBT na ditadura (Exposição Temporária)
Saiba mais aqui. 

Exposição Virtuais
Diponível em programação digital.

FEVEREIRO

 

Orgulho e Resistências: LGBT na ditadura (Exposição Temporária)

O Dia do idoso: outros carnavais (Evento)

Entre 21/02/2022 a 27/02/2022

Exposição Virtuais. Diponível em programação digital.

JANEIRO

Arte Trans: repressão e expressão

Conversa Online - 29/01/2022 - 15h no Youtube

Como apresenta a exposição “Orgulho e resistências: LGBT na ditadura”, em cartaz no Museu da Diversidade Sexual, os movimentos artísticos liderados pela comunidade LGBTQIA+ sempre sofreram perseguições ao longo da história do Brasil. Ao mesmo tempo, a depender de cada época, estes movimentos também demonstraram uma enorme força para resistir e garantir a expressão cultural e artística de gays, lésbicas, travestis e transexuais, etc. 

 

 

No Brasil contemporâneo, a comunidade LGBTQIA+ tem tido suas expressões cerceadas de variadas formas por parcelas conservadoras da sociedade brasileira. Porém, mesmo com o cancelamento de editais, exposições e contratos, por exemplo, a comunidade trans resiste e tem encontrado caminhos para dar vazão à sua produção.

 

 

A partir deste pano de fundo, convidamos Ian Habib (Museu Transgênero de História e Arte - MUTHA), Léo Moreira (Coletivo de Artistas Transmasculines) e Nickary Aycker (atriz Toda Deseo e Academia Transliterária - BH) para conversarmos sobre o panorama dos artistas trans no Brasil atual no Dia Nacional da Visibilidade Trans.