Captura de Tela 2022-07-01 às 15.37.45.png
gap_horizontal.png

EXPOSIÇÕES - 2019

linha.jpg
gap_horizontal.png
Plural_2019_topo_810x310-01.jpg

PLURAL

Exposições passadas - 24/01/2019

“PLURAL 24H”: EXPOSIÇÃO DO MUSEU DA DIVERSIDADE SEXUAL ABORDA ASPECTOS COTIDIANOS DA VIDA DAS PESSOAS LGBTI+
Coletiva exibe trabalhos de 12 artistas, entre fotografias e desenhos

 

O Museu da Diversidade Sexual, equipamento do Governo do Estado de São Paulo administrado pela organização social de cultura APAA, inaugura no dia 24 de janeiro uma nova exposição. Intitulada “Plural 24h”, a mostra coletiva traz obras de 12 artistas produzidas nas técnicas fotografia e desenho, abordando situações rotineiras vividas por pessoas da comunidade LGBTI+. A entrada no Museu da Diversidade Sexual é gratuita.


Os trabalhos exibidos em “Plural 24h” retratam as mais diversas ações e situações presentes nesse universo: a vida de trabalho – do formal às apresentações em casas noturnas –, a construção do próprio corpo e a relação com o corpo do outro, o preconceito e a reação em forma de empoderamento, entre outros.


Carolina Carettin nos mostra o ambiente de trabalho de um homem trans: uma sala de aula. Iano Coimbra, em contraste, apresenta cenas de bastidores e apresentações de performers da noite LGBTI+ de Santa Clara, no centro da ilha de Cuba.


Fe Maidel, através de desenhos, relata o processo cronológico de construção de seu próprio corpo, ao passo que Melina Rezende nos convida à intimidade de um quarto de motel e Barbara Cunha explora a estética do fetiche.


Rosa Luz, através de fotografias em preto e branco, trata da posição de marginalidade à qual as pessoas trans ainda são tratadas em nossa sociedade, enquanto Cleiton de Paula, também com fotos em P/B, exibe registros da Revolta da Lâmpada, movimento que surge com a ideia do “fervo como protesto”, uma reação à agressão, praticada com uma lâmpada, sofrida por um jovem na Avenida Paulista em 2010.


“A exposição faz um registro de como a população LGBTI+ vive ou sobrevive suportando o peso do preconceito ao longo do dia, que é um substantivo singular, formado pelas horas, plural, que constroem o tempo, também singular”, observa Franco Reinaudo, diretor do Museu da Diversidade Sexual e curador da exposição. “Que o tempo consiga mudar essa lógica de exclusão e que possamos um dia respeitar as diferenças de cada um, de cada uma”, finaliza.

gap_horizontal.png
gap_horizontal.png
2019ico_site.jpg

BLOCO SERÁ QUE É?

Exposições passadas - 23/02/2019

MUSEU DA DIVERSIDADE SEXUAL SAI À RUA COM O BLOCO SERÁ QUE É?

 

Amadrinhado por Regina Volpato, o bloco desce a Rua Augusta no dia 23 de fevereiro, sábado

 

Pelo terceiro ano consecutivo, o Museu da Diversidade Sexual, equipamento do Governo do Estado de São Paulo administrado pela organização social de cultura APAA, leva para a rua o bloco Será Que É?, celebrando a chegada do Carnaval e promovendo os direitos humanos e a cultura da paz. O bloco desce a Rua Augusta no dia 23 de fevereiro, sábado. A concentração começa às 13h na esquina com a Rua Matias Aires.

 

A madrinha do bloco é mais uma vez Regina Volpato, apresentadora do programa Mulheres da TV Gazeta. O Será Que É? conta ainda com as ilustres presenças de Walério Araújo, Kaká di Polly, Thiago Adorno e Sherazade, personagem que fez a alegria das crianças nos anos 90 no programa X-Tudo da TV Cultura.

No comando do som do bloco, que conta ainda com apresentação da drag queen Tchaka, estarão os DJs Clever Rivera, Alcimar, Cris Vilella, Rodrigo Borro e Paulo Pringles & Carol Lessa (B2B).

gap_horizontal.png
MDS_mar2019_livr_site.jpg

POSITIVO, MAXWELL

Lançamento de Livro  - 28/02/2019

“Positivo, Maxwell” é uma história de superação, de seguir adiante e reorganizar a vida sendo soropositivo em tempos atuais.”

Livro: Positivo, Maxwell
Autor: Marcelo Seiler

gap_horizontal.png
MDS_abril2019_Desenho_site.png

O DESENHO DO CORPO EM MOVIMENTO

Exposições passadas - 21/04/2019

“Vem desafiar o seu olhar a capturar o movimento dos corpos, na essência de sua existência”

 

A artista Fê Maidel, que participa da exposição Plural 24h promove uma oficina de desenho com a intenção de levar @s participantes a capturar os movimentos dos corpos na sua essência. Não é necessário qualquer conhecimento de técnicas de desenho para participar.

gap_horizontal.png
2019home_mds.jpg

RODA DE CONVERSA MEMÓRIAS LGBTI+ E AS AS TRADIÇÕES "INDESEJADAS": ENTRE EXCLUSÃO E PRESERVAÇÃO

Atividades passadas - 15/05/2019

17ª Semana Nacional de Museus. Roda de Conversa Memórias LGBTI+ e as tradições “indesejadas”: entre exclusão e preservação

 

Local: Memorial da Resistência – Largo General Osório, 66 – Santa Ifigênia, São Paulo – SP

Data: 15 de maio 2019

Horário: 14h

gap_horizontal.png
2019WEB-DICH-03.jpg

DIA INTERNACIONAL

DE COMBATE A LGBTFOBIA

17/05/2019

O dia internacional contra a LGBTfobia foi criado em 2004 para chamar a atenção para a discriminação sofrida por lésbicas, gays, bissexuais, travestis, mulheres trans, homens transexuais e transgêneros, intersexuais e todas as outras pessoas com orientações sexuais, identidades ou expressões de gênero e sexo dissidentes.

 

A data de 17 de maio foi escolhida especificamente para comemorar a decisão da Organização Mundial da Saúde que em 1990 retirou a classificação da homossexualidade como um transtorno mental.

 

O Dia representa um importante marco anual e internacional para discutir com a sociedade, autoridades, corporações e a própria comunidade a situação alarmante da violência sofrida pela população LGBT.

MUSEU QUEER

Atividaded cultural - 25/05/2019

 Museu Queer

Organizada como roda aberta de conversa, Transviadar objetiva reunir perspectivas diversificadas que possam tratar dos temas em questão por meio de diferentes abordagens, como a ação política, a atuação de coletivos artísticos, voluntariados, a construção de redes de colaboração e solidariedade entre componentes sociais historicamente marginalizadxs e oprimidxs, a produção de conhecimento acadêmico politicamente engajado, dentre muitos outros temas.

 

Sala de exposições Praça das Artes
Av. São João, 281 – Centro Histórico de São Paulo

2019 - devassassite.jpg

DEVASSAS NO PARAÍSO

EXPOSIÇÃO - 08/06/2019

MUSEU DA DIVERSIDADE SEXUAL INAUGURA EXPOSIÇÃO INSPIRADA EM OBRA CLÁSSICA DE JOÃO SILVÉRIO TREVISAN

 

“Devassos no Paraíso: o Brasil mostra sua cara” conta a trajetória da construção das sexualidades e expressões de gênero no Brasil desde o período colonial.

 

O Museu da Diversidade Sexual, equipamento do Governo do Estado de São Paulo administrado pela organização social de cultura APAA, inaugura no dia 08 de junho, sábado, uma nova exposição chamada “Devassos no Paraíso: o Brasil mostra sua cara”, inspirada no livro “Devassos no Paraíso”, de João Silvério Trevisan, publicado originalmente em 1986. A entrada no museu é gratuita.

 

No ano de 2019, a Revolta de Stonewall, que deu início às lutas pelos direitos civis da população LGBTI nos Estados Unidos, completa 50 anos. A partir deste marco, o Museu da Diversidade Sexual lança luz à história da comunidade no Brasil, desde o olhar de estranhamento do colonizador português aos costumes dos nativos no século XVI até fatos mais recentes, como a eleição de parlamentares declaradamente LGBTI.

 

“Devassos no Paraíso: o Brasil mostra sua cara” é um mergulho na obra e pesquisa de João Silvério Trevisan, contando com suportes visuais, como documentos, matérias de imprensa, depoimentos em vídeo e ilustrações de Laerte e Paulo Von Poser.

A exposição, como o livro de João Silvério, vai percorrendo o caminho da construção da sexualidade e das expressões de gênero no Brasil, passando pelos povos originários, pelos colonizadores, pelos povos escravizados e pelos imigrantes, por figuras icônicas como Carmen Miranda, Madame Satã e Daniela Mercury, pelas travestis brasileiras fazendo a vida em solo europeu e pela perseguição e violência sofridas pelas travestis em solo brasileiro, o tratamento das sexualidades desviantes como caso de saúde mental, o fundamentalismo religioso e o ativismo, entre tantos acontecimentos, pessoas e costumes que fizeram e fazem de nosso país o que ele é, para o mal e para o bem.

 

“A observação e reflexão de nossa própria história é o principal instrumento para que tenhamos compreensão e orgulho daquilo que somos e também para que não incorramos nos mesmos erros”, analisa Danielle Nigromonte, diretora executiva da APAA. “É esse o caminho que devemos seguir para que tenhamos uma sociedade mais justa para todos”, finaliza.